Click here for Myspace Layouts

quarta-feira, 22 de setembro de 2010

O "Caso Neymar" e o Problema da Autoridade

Por Anderson Araújo

Como você ensina a uma criança que ela precisa respeitar ou seguir algumas regras para não apenas viver em sociedade, mas conviver bem com os outros? Geralmente as crianças têm dificuldade para enxergar isso. Logo que a criança inicia o seu processo de socialização ela precisa aprender as regras e as normas do grupo: compartilhar ou não brinquedos, a proibição de mexer nas coisas das outras pessoas, cumprir horários etc.

Em minhas experiências com o ensino de ética para crianças e pré-adolescentes sempre utilizei a imagem do esporte, sobretudo a do futebol para falar das regras necessárias para nos comportarmos no convívio com o outro. Um jogo de futebol possui várias regras que, não respeitadas geram punições como cartões amarelo ou vermelho: "a regra é clara". Todo jogador deve saber como se portar em campo para não ser penalizado e pode, inclusive, ser expulso de campo dependendo da intensidade das faltas ou da gravidade da sua conduta em campo.

Além disso, todo time possui uma autoridade, o técnico ou comandante, também chamado por muitos atletas de "professor". Ele é responsável por treinar a equipe e por isso conhece bem os seus jogadores. A autoridade deve ser reconhecida e, portanto, respeitada. Este reconhecimento é condição necessária para que haja harmonia na equipe e sintonia na execução dos comandos do técnico.

Podemos transferir todas as características do técnico para um pai, um professor, um gestor, um líder ou um chefe, ou seja, para posições de autoridade. Toda autoridade sempre foi e é questionada, sobretudo pelo adolescente. O problema é que muitos pais ou autoridades terminam cedendo às vontades da criança ou do adolescente. O pai precisa escutar o filho, dialogar com o filho, para que a conduta não fique caracterizada como autoritária. Mas compreender uma criança ou um adolescente não significa que se deva acatar a opinião dele ou dela.

Um fato recente no futebol vem gerando muita discussão em todos os lugares. O jovem atacante do Santos, Neymar, insultou o técnico do time, Dorival Júnior, após ser proibido de bater um pênalti na partida contra o Atlético-GO (15/09/10). Diante disso, o técnico resolveu punir o jogador santista, deixando-o de fora da próxima partida e possivelmente de outras para que o "menino da Vila" refletisse sobre a sua conduta. Muitas pessoas discordaram dessa decisão do técnico, inclusive os dirigentes do clube, que decidiram em acordo com Dorival, pela demissão do comandante, campeão do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil com o time do Santos neste ano de 2010.

Desconhecemos questões internas do Clube. Mas a nossa análise dos fatos nos sugere que o técnico agiu como deveria agir uma autoridade. Na minha visão ele não agiu com autoritarismo. A atitude do técnico revelou uma preocupação com o jovem atleta e com o grupo dos jogadores. Neymar não reconheceu a autoridade do técnico, não seguiu as regras. O "menino" quis que a sua vontade fosse soberana. Enquanto o técnico sinalizou que se deve respeitar algumas decisões para o sucesso da equipe. A decisão da autoridade revela que mesmo o mais belo, o mais inteligente ou aquele que tem a melhor remuneração em relação aos outros integrantes do grupo deve seguir algumas regras.

É fato que Neymar é a estrela do time. Pode-se e deve-se respeitar os fatos e o talento dele; mas também deve-se preservar as normas de boa convivência. Futebol é exemplo para muita criança, sobretudo na vida daquelas que veem nele uma salvação em suas vidas. Futebol é inspiração e motivação. Futebol restaura a vida de muitos jovens. Futebol educa e mostra a importância da equipe e de um maestro. Futebol ensina disciplina, e é exemplo de que educar não é castigar, mas mostrar limites. Futebol ensina que autoridade é diferente de autoritarismo. Pois não é obediência inquestionável, mas direcionamento, orientação e referência.

Que o Neymar continue inspirando muitas crianças a acreditarem no esforço, na importância do treino e da disciplina, apesar de o recente episódio ter demonstrado que ele ainda não sabe lidar com autoridade. Termino este post com a seguinte problematização: o problema é o Neymar que se posiciona como soberano, ou as autoridades em torno dele que fazem dele um rei? É a criança que "manda no pai" ou é o pai que permite a soberania precoce do filho?

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

A Crença no Hábito

Por Anderson Araújo

Para o filósofo David Hume, o nosso conhecimento do mundo se dá por meio de percepções. Ele as subdivide em impressões e ideias. As primeiras, as impressões, são as percepções atuais que temos das coisas e do mundo, são portanto, fortes e mais vivas. Enquanto as ideias são fracas e menos vivas porque geralmente são cópias das impressões.

Segundo o filósofo esta diferenciação é fácil para nós, pois facilmente distinguimos entre sentir e pensar. O modo como a impressão ocorre na mente é forte, e tem também um efeito peculiar. Uma impressão não é meramente pensada, mas acreditada. A força e a vivacidade significam o modo como aparece a percepção na mente e o efeito que causa à mente.

Exemplificando, posso ir ao museu e ver uma pintura de Picasso. Neste caso, enquanto vejo a pintura, tenho a impressão da pintura; trata-se de uma percepção forte e viva. Mas numa conversa com um amigo, na qual me lembro da minha visita ao museu e lhe descrevo a minha percepção da pintura, trata-se de uma ideia, uma percepção fraca e menos viva.

De acordo com Hume, todo o nosso conhecimento é baseado em nossas experiências. Por isso, ele vai dizer que determinadas conclusões que chegamos sobre o mundo e as coisas não são fundamentadas na razão, mas no hábito. O fato de vermos todos os dias uma relação entre A e B, por exemplo, faz com que toda vez que vemos A, lembremo-nos de B. Além disso, o nosso conhecimento é fundamentado em relações causais, ou melhor, na causalidade; que é a ideia segundo a qual todo efeito deve ter uma causa.

Nossas certezas sobre o futuro devem-se à nossa crença no hábito. Acostumamo-nos a ver que o Sol nasce todos os dias. Logo, concluímos que ele nascerá também amanhã e no futuro. Ou seja, este conhecimento é fundamentado numa crença que obtemos pela regularidade com que as nossas experiências se repetem, produzindo o hábito ou o costume. Desse modo, podemos concluir em breves palavras que para Hume a nossa mente é um feixe de percepções, pois todas as nossas ideias têm origem na impressão sensível; e que não estamos diante de uma conexão necessária na relação entre causa e efeito, mas diante de uma associação baseada na regularidade de eventos que ocorrem na experiência.

Estamos diante de uma explicação bastante plausível do funcionamento da mente humana que nos faz pensar sobre os motivos ou razões pelas quais adotamos determinadas crenças ou opiniões sobre nós mesmos e sobre o mundo. Fundamentamos nosso conhecimento somente na razão ou na experiência? O nosso conhecimento é racional ou é apenas uma crença em regularidades? Descobrir esta explicação da mente humana muda ou compromete o nosso modo de ver o mundo?

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

HUME, David. Tratado da Natureza Humana. São Paulo: Ed. Unesp, 2001.