Click here for Myspace Layouts

terça-feira, 11 de maio de 2010

A Consciência Ética em Gandhi e o Método da Não-violência

Por Anderson Araújo


A história nos revela exemplos de homens que lutaram pela paz no mundo e pela liberdade humana. Gandhi se destaca na história por seu amor e dedicação à vida, por seu cuidado com todas as coisas que existem no mundo. Podemos dizer que Gandhi possuía uma consciência ética.

Gandhi, em princípio, lutou pela independência da Índia. É o que podemos falar, resumidamente, da vida deste homem. Porém, ao lutar pela independência da Índia, Gandhi o fez também pela independência do homem inglês que explorava a Índia, pela independência do homem europeu, enfim, pela independência do ser humano!

Mas, Gandhi também teria lutado pela independência dos exploradores da Índia, isto é, pelos ingleses? Conhecemos a história e sabemos que Gandhi lutara tão somente pela independência da Índia. Mas, o método, isto é, o caminho que ele utilizou para lutar pela independência do seu país é marcado por uma preocupação não só com o seu povo, os indianos, mas com o ser humano. O objetivo de Gandhi nesta luta foi a liberdade e a paz para o ser humano, e não apenas para o seu povo.

O caminho utilizado por Gandhi: a não-violência. Não-violência não significa passividade, ou resignação, mas uma luta mais ativa que a luta armada. Porque só homens disciplinados, de bons hábitos, conhecedores de si mesmos e dos seus ideais e, portanto, da sua causa, podem utilizar o método da não-violência. Gandhi sabia que uma boa ação, realizada uma única vez não faria diferença na vida do seu povo. É preciso ser bom sempre, respeitar todos os dias a natureza e a vida; mostrar-se indignado todos os dias com a mentira e o egoísmo e, certamente o mais importante: é preciso dialogar sempre!

Gandhi ensinou a virtude para o mundo inteiro, ensinou-nos como podemos ser livres e como podemos cuidar da morada humana, isto é, como podemos ser éticos. Porque o mundo, que é a morada comum a todos os homens, não depende apenas do gesto de uma pessoa para que ele continue habitável, mas do esforço de todos os seres humanos, de gestos simples; jogar uma casca de banana na lixeira, dizer um bom dia ao outro e pedir perdão aos nossos pais, aos nossos filhos, e aos nossos amigos.

Há um provérbio que diz: Não é a chuva forte que nos dá uma boa colheita, mas aquela chuva que cai mansinha todos os dias sobre os nossos campos. É urgente que sigamos o exemplo de Gandhi, pois só teremos uma boa colheita, ou seja, só colheremos a paz e a liberdade se regarmos todos os dias as nossas vidas com diálogo e boas ações.

O filósofo Michael Foucault diz que não existe o poder. Mas, relações de poder. Porque o poder circula entre as pessoas. E é o que caracteriza a liberdade. Assim, por exemplo, num diálogo, quando escutamos, silenciosamente, o que o outro fala, damos ao outro o poder de falar.

Hannah Arendt, também filósofa, nos ensina que, se o poder foi tomado por uma pessoa, não há poder, mas violência. Porque o poder não pode ser tomado, mas dado. Assim, quando elegemos um representante, damos à outra pessoa o poder de nos representar. Arendt escreve: “A forma extrema de poder é o todos contra um. A forma extrema da violência é o um contra todos (...) A violência de um contra todos nunca é possível sem armas. A violência distingue-se por seu caráter instrumental”.(Hannah Arendt, Sobre a Violência).

Assim, aprendemos com os filósofos que, quando agimos com violência verbal ou física, estamos distanciando-nos do poder, e afastando-nos do que nos faz humanos; da capacidade de nos expressarmos através do diálogo. Gandhi também nos ensina isso, mas vai além. Mahatma Gandhi, “grande alma”, como foi chamado, nos ensina que um ato violento é injustificável, e que um bom soldado é um homem virtuoso que se cultiva com bons hábitos e pratica boas ações.

“Considero-me um soldado, mas um soldado da paz”. (Gandhi)

HISTÓRIA

Para quem tiver interesse em conhecer melhor a vida de Gandhi:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Mahatma_Gandhi



5 comentários:

Enzo Potel disse...

aquele filme da década de 80, com o Ben Kinsley, é maravilhoso.

ahimsa!!

(e pensar que muita gente na Índia vê em Gandhi um grande símbolo para o atraso do país)

já leu algo de Osho, Anderson?! ele ama Sartre. E fala sempre de Nietzsche.

Anderson disse...

Conheço o filme e já vi com meus alunos, realmente muito bom! Nunca li algo de Osho. Vou procurar! Obrigado, Enzo!

Anônimo disse...

Kra eu vo fazer o teste sexta agora, to muito confiante pois sei que e meu futuro em jogo!
Quando chegar lhe mando o resultado...
Um abraço, seu aluno da E.E.João Paulo I

Ueverton Jaime.

carla suely disse...

Hoje, 07/04/11 aconteceu a tragédia na escola no Rio de Janeiro e os primeiros comentários que ouvi eram sobre aprovação da pena de morte, seguranças armados em escolas e afins... Penso que é justamente por termos nos habituado a violência que as relações humanas estão assim... É difícil pensar e agir como Gandhi propos e fez, mas provavelmente chegaremos ao ponto que a nao-violência será a única saída. Seria melhor optarmos por viver em harmonia logo, mas sinto que ainda temos um doloroso caminho pela frente. Hoje reafirmei meu compromisso pela paz e buscando bons fluidos vim parar aqui. Obrigada e parabéns!

Progestão em Quijingue disse...

Boa noite Anderson! Sou Karmem Amambahy bahiana de Euclides da Cunha.Adorei teu blog. Estou especializando-me em filosofia, e adorando o curso, ainda tímida na área...Precisando de mestres como voce nessa caminhada de estudos. Conto com tua sabedoria e conhecimento, para filosofarmos...