Click here for Myspace Layouts

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Encantamento, Espanto e Admiração


Por Anderson Araújo

Os filósofos começaram a filosofar devido a uma atitude de espanto, estranhamento e encantamento, nos diz o filósofo Aristóteles. Estas palavras são possíveis variações obtidas pela tradução do verbo grego "thaumatzein". Em outras palavras, podemos dizer que o que move o filósofo é esta atitude de espanto diante do mundo e das coisas.

O mundo se apresenta enigmático, misterioso e estranho aos olhos de um filósofo. Por isso, filosofar é uma atitude de questionamento e de investigação das coisas comuns e experimentadas como "óbvias" pela maioria das pessoas. É verdade que precisamos nos acostumar com algumas coisas para agirmos no cotidiano. Certos automatismos garantem a nossa boa sobrevivência. Mas também impedem a reflexão e nos deixam mais robóticos e menos humanos.

Sempre digo que há coisas, imagens e aspectos diferentes, seja das paisagens ou das pessoas, no caminho que fazemos quando saímos de casa ou quando para ela voltamos. Uma postura filosófica é também vigilante, sobretudo contra o olhar viciado. A vida fica sem graça quando deixamos de ver coisas diferentes no mundo. O óbvio rouba o brilho dos nossos olhos.

Os fenômenos da natureza nos causam espanto e admiração, o pôr-do-sol por exemplo. O ciclo da vida e o comportamento humano também. A capacidade humana de fazer o mal nos assombra, mas a sua capacidade de doar-se e de cuidar da vida nos encanta. Estas atitudes também são características da ciência. Por isso a ciência sempre avança por meio de novas pesquisas sobre um objeto já inúmeras vezes estudado.

Experimentar o mundo com outros olhos é um modo de resignificá-lo, dar novos sentidos às coisas. Isso nos torna mais criativos, mas artistas, enfim, mais humanos. Além disso, penso que também é uma atitude nobre. O contrário, uma vida acostumada e confortável no mundo, é quase sempre triste, sem sabor, sem encantamento, por isso pobre de espírito.

(Imagem: "A noite estrelada" de Vincent Van Gogh, 1889)





3 comentários:

Vanessa Orgélio disse...

Oi Anderson! Vim retribuir sua visita lá no meu blog!
Também gosto muito de Filosofia. Lembro de quando tinha 16 anos e li nas minhas férias de verão auqle livro (suponho que você conheça) "O mundo de Sofia" Fantástico livro, desde então me apaixonei por filosofia. Já estou te seguindo também pra poder sempre ter acesso as coisas bcanas que você postar aqui!
Um abraço.

Bethânia disse...

Olá, Anderson,

Como é bom “ouvir” que questionar é algo positivo!!! Vivemos em uma era onde cada vez mais a sociedade pune aqueles que “saem da média”, que opinam, que são francos com si mesmos e, acima de tudo, com os outros... Sair da “massa” e individualizar idéias e conceitos é cada vez mais difícil e necessário. Por isso, te parabenizo pelo excelente texto e por este espaço onde todo mundo pode ser livre para filosofar um pouquinho também!!!

Um abraço,

Bethânia Aquino

Brasileira disse...

Olá Anderson!!

Excelentes os textos, compartilhei no face com meus amigos!!