Click here for Myspace Layouts

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

A Crença no Hábito

Por Anderson Araújo

Para o filósofo David Hume, o nosso conhecimento do mundo se dá por meio de percepções. Ele as subdivide em impressões e ideias. As primeiras, as impressões, são as percepções atuais que temos das coisas e do mundo, são portanto, fortes e mais vivas. Enquanto as ideias são fracas e menos vivas porque geralmente são cópias das impressões.

Segundo o filósofo esta diferenciação é fácil para nós, pois facilmente distinguimos entre sentir e pensar. O modo como a impressão ocorre na mente é forte, e tem também um efeito peculiar. Uma impressão não é meramente pensada, mas acreditada. A força e a vivacidade significam o modo como aparece a percepção na mente e o efeito que causa à mente.

Exemplificando, posso ir ao museu e ver uma pintura de Picasso. Neste caso, enquanto vejo a pintura, tenho a impressão da pintura; trata-se de uma percepção forte e viva. Mas numa conversa com um amigo, na qual me lembro da minha visita ao museu e lhe descrevo a minha percepção da pintura, trata-se de uma ideia, uma percepção fraca e menos viva.

De acordo com Hume, todo o nosso conhecimento é baseado em nossas experiências. Por isso, ele vai dizer que determinadas conclusões que chegamos sobre o mundo e as coisas não são fundamentadas na razão, mas no hábito. O fato de vermos todos os dias uma relação entre A e B, por exemplo, faz com que toda vez que vemos A, lembremo-nos de B. Além disso, o nosso conhecimento é fundamentado em relações causais, ou melhor, na causalidade; que é a ideia segundo a qual todo efeito deve ter uma causa.

Nossas certezas sobre o futuro devem-se à nossa crença no hábito. Acostumamo-nos a ver que o Sol nasce todos os dias. Logo, concluímos que ele nascerá também amanhã e no futuro. Ou seja, este conhecimento é fundamentado numa crença que obtemos pela regularidade com que as nossas experiências se repetem, produzindo o hábito ou o costume. Desse modo, podemos concluir em breves palavras que para Hume a nossa mente é um feixe de percepções, pois todas as nossas ideias têm origem na impressão sensível; e que não estamos diante de uma conexão necessária na relação entre causa e efeito, mas diante de uma associação baseada na regularidade de eventos que ocorrem na experiência.

Estamos diante de uma explicação bastante plausível do funcionamento da mente humana que nos faz pensar sobre os motivos ou razões pelas quais adotamos determinadas crenças ou opiniões sobre nós mesmos e sobre o mundo. Fundamentamos nosso conhecimento somente na razão ou na experiência? O nosso conhecimento é racional ou é apenas uma crença em regularidades? Descobrir esta explicação da mente humana muda ou compromete o nosso modo de ver o mundo?

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

HUME, David. Tratado da Natureza Humana. São Paulo: Ed. Unesp, 2001.


2 comentários:

Anônimo disse...

Segundo HUME temos uma percepção no mundo enquanto muitas ideias são fracas e sentimos ela, no passado as ideias eram fracas e as pessoas não tinham liberdade para "falar".Criamos pecepções que não saberemos se vai acontecer.ex:"o sol vai nascer amanha"Bom não sabemos se ele vai nascer mais acreditamos.E Hume deixa claro que todo nosso conhecimento e baseado em crenças e prescisamos de esperiências.
Brenda de Oliveira 3°H1

Lorrany Pabline disse...

Hume compreende o nosso conhecimento sobre o mundo através das percepções que temos. Sendo elas, as impressões : vivas , fortes e presentes. E, as idéias, que são passadas, fracas e vagas. A fonte de conhecimento que adquirimos vem através das nossas experiencias, afirmando também que por esse motivo nos habituamos a crer no hábito. Se o sol nasce todos os dias, acreditamos que isso ocorrerá sempre. Lorrany Pabline.